contato@movimentolgbt.com.br contato@movimentolgbt.com.br

Quando se trata de expressão religiosa a pessoa LGBT não contava com um espaço que a acolhesse tal como se apresenta. As instituições ora condenavam o ser LGBT, afastando-o da prática religiosa em virtude dos discursos proferidos, ora o acolhiam, porém tentavam ajusta- lo aos padrões hétero normativos em voga, ditos “normais”. A Doutrina Espírita surge apresentando uma linguagem diferenciada em relação ao ser LGBT (apesar de muitas Casas Espíritas insistirem em manter posturas conservadoras e preconceituosas, fruto do fechamento à atualização de seus estudos e revisão de conceitos segundo o momento histórico atual). A literatura Espírita vem recheada de afirmações que, a luz do ensinamento dos Espíritos, elevam a condição LGBT ao mesmo padrão de dignidade das identidades hétero normativas. O primeiro texto que selecionamos para este momento é fragmento da Obra Vida e Sexo, de autoria de Chico Xavier, ditado pelo Espírito Emmanuel, cuja primeira edição foi lançada na década de 1970:

A homossexualidade, também hoje chamada transexualidade, em alguns círculos de ciência, definindo-se, o conjunto de suas características, por tendência da criatura para a comunhão afetiva com outra criatura do mesmo sexo, não encontra explicação fundamental nos estudos psicológicos que tratam do assunto em bases materialistas, mas é perfeitamente compreensível, à luz da reencarnação. Observada a ocorrência, mais com os preconceitos da sociedade, constituída pela maioria heterossexual, do que com as verdades simples da vida, essa mesma ocorrência vai crescendo de intensidade e extensão, com o próprio desenvolvimentos da humanidade, e o mundo vê, na atualidade, em todos os países, extensas comunidades de irmãos em experiência dessa espécie, somando milhões de homens e mulheres, solicitando atenção e respeito, em pé de igualdade ao respeito e à atenção devidos às criaturas heterossexuais. A coletividade humana aprenderá, gradativamente, a compreender que os conceitos de normalidade e anormalidade deixam a desejar quando se trate simplesmente de sinais morfológicos (…). A vida espiritual pura e simples se rege por afinidades eletivas essenciais; no entanto, através de milênios e milênios, o Espírito passa por fileira imensa de reencarnações, ora em posição de feminilidade, ora em condições de masculinidade, o que sedimenta o fenômeno da bissexualidade, mais ou menos pronunciado, em todas as criaturas. O homem e a mulher serão, desse modo, de maneira respectiva, acentuadamente masculino ou acentuadamente feminina, sem especificação psicológica absoluta. A face disso, a individualidade em trânsito, da experiência feminina para a masculina, ao envergar o casulo físico, demonstrará fatalmente os traços da feminilidade em que terá estagiado por muitos séculos, em que pese ao corpo de formação masculina que o segregue, verificando-se análogo processo com referência à mulher nas mesmas circunstâncias. Obviamente compreensível, em vista do exposto, que o Espírito no renascimento, entre os homens, pode tomar um corpo feminino ou masculino, não apenas atendendo-se ao imperativo de encargos particulares em determinado setor de ação, como também no que concerne a obrigações regenerativas.

 

 

O Espírito Emmanuel destaca que a sociedade, até o momento, entendeu o LGBT muito mais a luz de preconceitos, por ser a maioria hétero, do que a luz das verdades simples da vida. Verdades estas que a Doutrina Espírita vem contando para a humanidade desde que os fenômenos Espíritas se evidenciaram na França do século XIX e vem ganhando cada vez mais adeptos em nosso século. Outro fragmento de texto  para este momento encontramos na obra “Encontro com a paz e a saúde”, de autoria de  Divaldo Pereira Franco e ditado pelo Espírito Joana de Ângelis:

 

(…) Constatado que a homossexualidade (correção nossa, no livro ela ainda usa o termo homossexualismo) não tem natureza patológica, nem é impositivo neuronal, conforme os estudos de nobres neurocientistas da atualidade, reconhecida a tese pela Organização mundial de saúde, podemos afirmar, sim, que se encontra geneticamente assinalando alguns neurônios, de forma que a produção de hormônios seja compatível com as heranças espirituais do passado, sempre as grandes delineadoras do presente e do futuro, ou com as necessidades evolutivas… O Espírito progride viajando através de ambas as polaridades, masculina e feminina, facultando que, na mudança de uma para outra, por necessidade de progresso, as marcas ( arquétipos) da existência anterior fixem-se na constituição atual, sem nenhum caráter de natureza cármica, punitiva, como pretendem alguns estudiosos, ou por efeito da necessidade de retificação de erros anteriormente cometidos, vivenciando novas experiências iluminativas. Seja no entanto qual for a causa anterior que responde pela atual conduta homossexual, por esse conteúdo anima que se encontra no ser masculino, assim como pelo animus que faz parte da constituição feminina, adquirindo prevalência e impondo a necessidade de atendimento, a conduta moral do Espírito irá delinear-lhe a existência harmônica ou conflitiva, insatisfeita ou não, pela qual transitará. O fato de alguém amar outrem do mesmo sexo não significa distúrbio ou desequilíbrio da personalidade, mas uma opção que merece respeito, podendo também ser considerada como uma certa predisposição fisiológica. Pode-se considerar como uma necessidade sexual diferente com objetivos experimentais no processo da evolução. O amor, no entanto, será sempre o definidor de rumos a favor do ser humano em toda e qualquer situação em que o mesmo se encontre.

Joana de Ângelis vem afirmando, não apenas nesta obra, a naturalidade do LGBT quando se considera a realidade espiritual do ser humano e suas sucessivas encarnações, colocando a encarnação LGBT como, em palavras da própria, experiência iluminativa de aprendizado espiritual, rumo ao progresso para o qual marcha toda a humanidade. Esta experiência pode ser harmônica quando o Espírito se aceita na condição LGBT ou desarmônica quando este não se aceita.

Este texto breve, construído especificamente para iniciar a introdução do tema ao site, é apenas um demonstrativo que será continuado conforme avancem os nossos estudos das obras Espíritas. Por ora compartilharemos o que já foi coletado e continuaremos o trabalho de pesquisa, com intuito de divulgar este conhecimento novo que provém desta nova Doutrina.

5

 

Comunidade virtual LGBT Espírita: https://www.facebook.com/LGBTespirita/

Blog: http://redecombatelgbtfobia.blogspot.com.br/